São José do Xingu 3ª cidade do estado com melhor índice na geração de emprego e renda
Publicado em: 10/07/2018 ás 10:00:00 Autor: CN Assessoria

 

São José do Xingu é a 3ª posição estadual no quesito “geração de emprego e renda” do índice de desenvolvimento municipal, divulgado esta semana, pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro(Firjan).

São José do Xingu ficou em 3º no ranking estadual e em 41º no nacional o que eleva muito o nível da cidade depois da administração do novo prefeito Luiz Castelo e sua equipe que trabalharam para que isso acontecesse.

Tangará da Serra (54º no Brasil), Campo Novo do Parecis (70º), Sinop (72º), Campo Verde (93º), Lucas do Rio Verde (117º), Porto dos Gaúchos (127º) e Campos de Júlio (132º) completam a lista das dez mais desenvolvidas nesta área no Estado sendo que São José do Xingu ficou acima de todas essas.

Lucas do Rio Verde, Cuiabá, Diamantino, Sorriso, Campo Novo do Parecis, Sinop, Campo Verde, Nova Mutum, Rondonópolis e Primavera do Leste são as dez cidades mais desenvolvidas de Mato Grosso, conforme o índice Firjan.

Sinop ficou no 6º lugar estadual e 368º nacional, com índice de 0,8064. Campo Verde, que teve pontuação de 0,8032, chegou à 7ª posição no Estado e 392º, no país. Em Mato Grosso, Nova Mutum ficou em 8º, com índice de 0,8006. No Brasil, a cidade é a 425ª mais desenvolvida.

Rondonópolis, com índice de 0,8004, e Primavera do Leste, com 0,7936, completam o ranking nacional. Ainda conforme o índice Firjan, as cidades mato-grossenses são as 430ª e 506ª mais desenvolvidas do país, respectivamente.

Nove, das dez cidades mais bem ranqueadas em Mato Grosso, atingiram a faixa máxima de desenvolvimento (apenas Primavera ficou de fora). Isso porque o estudo divide os resultados em quatro categorias: baixo desenvolvimento (de 0 a 0,4), desenvolvimento regular (0,4 a 0,5), desenvolvimento moderado (de 0,6 a 0,8) e alto desenvolvimento (0,8 a 1). 

O IFDM 2018 monitorou os indicadores sociais em 5.471 municípios, onde vivem 99,5% da população brasileira. No Brasil, o índice voltou a crescer em 2016, depois de dois anos de quedas consecutivas. O indicador fechou em 0,6678, abaixo do 0,6715 registrado em 2013.

O índice adota uma escala de avaliação que vai de 0 a 1 - quanto mais próximo de 1 maior o desenvolvimento do município.